A Paróquia
Eventos
Pastorais
Revistas
Formação Permanente
Orações
Notícias
Fale Conosco

Verdades, ficções ou delírios?

Imagem retirada de http://f.i.uol.com.br/folha/mercado/images/16225270.jpeg

Imagem retirada de http://f.i.uol.com.br/folha/mercado/images/16225270.jpeg

Todas as semanas assistimos desmandos, escândalos, obras superfaturadas e inacabadas Brasil afora. Estradas, Escolas, Hospitais, Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), enfim bilhões de reais desviados de seu verdadeiro destino, subjugando os brasileiros a situações desumanas, vergonhosas e de visível indigência.

Por outro lado sabemos que milhões de reais são gastos, mensalmente, para manter os políticos que já não representam mais seus eleitores no Congresso Nacional: tanto na Câmara dos Deputados como no Senado da República. Falam em “coro desafinado” em contenção de gastos como desligar ou trocar algumas lâmpadas, mas nem de longe admitem a redução de gastos pessoais ou com seus próprios gabinetes.

Sempre pensei que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tivesse sido criado para garantir a cidadania dos brasileiros, os mais vulneráveis, contemplados por Projetos Sociais, que em nome do Governo busca garantir a dignidade da pessoa em situação de vulnerabilidade social, como crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos que vivem uma verdadeira indigência nas periferias de nossa sociedade. Ao invés, como eu já previa há alguns anos, o BNDES também não escapou do cruel desvio de sua finalidade. Bancou interesses escusos; enriqueceu da noite para o dia, grupos empresariais suspeitos de alta periculosidade; foi utilizado para encobrir desfalques e propinas tão cruéis como o “Mensalão” e nem por último os volumosos desvios da Petrobrás, ainda investigados pela já tantas vezes ameaçada Lava-Jato.

Não sei ao certo se são Verdades, Ficções ou Delírios? O que sei, é que o BNDES deixa de cumprir com sua finalidade no momento em que a Assistência Social, a Saúde Básica, a Educação e a Infraestrutura nas realidades concretas de nossos Municípios vivem uma agonia sistêmica como se estivessem em fase terminal.

O que me parece delírio é afirmar que o Brasil está crescendo, quando vemos milhares de pessoas morrendo em corredores de Hospitais, milhares de crianças e adolescentes sem Escola com mínimas condições e esgoto a céu aberto de sul a norte de nosso País. O que me parece delírio é saber que o BNDES não contempla nossa realidade indigente, mas empresta nosso dinheiro tão suado e solapado mensalmente com impostos e juros absurdos, para Países da África, como Angola e outros; para Países da América Latina, como a Venezuela e Bolívia e nem por último para Cuba. Os rombos não param de vir à tona, enquanto se obriga os “Filhos da Pátria” a pagarem a conta sempre, desde impostos velados sobre tudo que se consome, ao cruel Imposto de Renda que os Aposentados pagam tão injustamente. E não adianta transferir culpa deste para aquele Governo. Estas Verdades, Ficções ou Delírios acontecem há décadas, sem dó nem piedade por Governos Parlamentares Opressores tanto quanto por Governos Populistas e Paternalistas. Não nos bastam mais as esmolas de Bolsas daqui e dali. Precisamos e merecemos é de oportunidades, respeito e dignidade!

fonte: Arquidiocese de Ribeirão Preto, escrita pelo padre Gilberto Kasper

 


Revista do Mês

Newsletter

As novidades do Paróquia São João Batista no seu e-mail

Cadastro efetuado com sucesso! Obrigado

5