Sacramento da Penitência - 1ª Parte

Imagem retirada do site: http://crisma-nazare.blogspot.com.br/2008/09/sacramentos-de-cura-penitncia.html

“A celebração da Penitência é ato de culto no qual a Igreja Louva a santidade de Deus e confessa as maravilhas do seu amor”. A exemplo dos outros sacramentos, o sacramento da Penitência pertence à sequencia das grandes obras de Deus e constitui “maravilha sacramental da salvação” durante o tempo da Igreja. Isso pode ser visto sob vários aspectos.

O sacramento da Penitência,  encontro com Cristo redentor na Igreja:

O sacramento da Penitência, antes de mais nada, é encontro: encontro com o Cristo redentor, que, ontem como hoje, continua a proclamar: “Filho, os teus pecados estão perdoados” (Mc 2,5); “Teus pecados estão perdoados (...) Tua fé te salvou; vá em paz” (Lc 7, 48-50); “Nem eu te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais” (Jô 8, 11); “Em verdade, eu te digo, hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23,43). Esse encontro ocorre mediante o ministério da Igreja – e não pode ser de outra forma -, mas é Cristo quem opera a remissão dos pecados: “Eu te absolvo dos teus pecados”. Nunca será demais repetir que, naquele momento, o sacerdote age in Persona Christi, como quando preside a Eucaristia. E é Cristo quem introduz o homem na participação dos frutos da redenção pascal: “o sacramento da Penitência nos insere no Mistério Pascal e é especificamente encontro com Cristo, que cura, ressuscita e santifica. Com efeito, o sacramento aufere toda sua eficácia da morte e ressurreição de Cristo. Estando dinamicamente presente, pela mediação da Igreja personificada pelo ministro, o ressuscitado renova o anúncio Pascal eficaz de libertação e salvação”.

Evento de libertação e santificação:

Enquanto ação de Cristo na Igreja, ação que opera o perdão e a graça, o sacramento da Penitência é evento. Não se trata de rito vazio ou convencional, mas de evento de libertação e santificação que continua os grandes eventos da história da salvação e desdobra na vida de cada batizado a graça do Mistério único de Cristo, morto e ressuscitado. Assim, não é evento isolado, mas evento que “se situa” na sequencia das “maravilhas da salvação” e é, ele próprio, “maravilha da salvação”. Desse ponto de vista, como fizemos no caso do Batismo, podemos retomar o conjunto das tipologias das “maravilhas da salvação” e mostrar que o sacramento da Penitência é nova criação, novo chamado, nova libertação, nova aliança, nova habitação, nova santificação, missa e juízo escatológico, o que corresponderia perfeitamente à natureza deste sacramento como “segundo Batismo” e é a sua continuidade em relação ao conjunto dos sacramentos da iniciação cristã. De nossa parte, porém, parece-nos suficiente nos limitar a sublinhar duas dimensões desse evento sacramental: a libertação e a santificação.

O Sacramento da Penitência, evento de libertação:

Como já vimos na primeira parte, a libertação na Bíblia é a intervenção pela qual Deus tira o homem da situação de perigo e o introduz em uma nova condição de existência e de autonomia.

Isso é verdadeiro, antes de mais nada, para o Êxodo. Todo um povo está escravizado no Egito, todo um povo está encurralado nas margens do mar dos Juncos, a ponto de ser destruído, sem qualquer possibilidade humana de salvação. Eis que Deus realiza aquilo que é impossível para o homem: abre uma passagem em meio ao mar e põe seu Povo a caminho para a terra prometida. Esse acontecimento de libertação é tão grande que passaria a ser recordado por Israel como gesto decisivo de salvação realizada por Deus em seu favor. Os profetas se referem constantemente a esse acontecimento para anunciar o acontecimento de libertação infinitamente maior que Deus realizará nos tempos últimos da salvação. O evento da cruz constitui o cumprimento desse anuncio profético: sobre o Cólgota, a humanidade se encontra em situação de impossibilidade humana, em situação de “morte espiritual”, da qual não estaria em condições de sair sozinha. Morrendo, Cristo desceu a esse abismo de “morte espiritual”, libertando a humanidade de sua situação e, ressuscitando, introduziu o homem na participação na vida trinitária. À beira da fonte batismal, essa libertação é comunicada ao neófito, que está em situação de morte, mas o Cristo liberta do pecado e faz dele homem novo. O sacramento da Penitência se insere nesse contexto, e é, na realidade, novo Batismo, como diziam os Padres da Igreja. Com o pecado, o homem recaiu na situação de escravidão e morte espiritual; é incapaz de sair dessa situação por si só; somente Deus pode operar esse renascimento. Ora, isso é precisamente o que Deus realiza no sacramento da Penitência: Deus liberta o homem de sua condição de pecado e morte espiritual, fazendo-o renascer para uma nova vida.

O sacramento da Penitência, evento de santificação:

E não apenas evento de libertação, mas também, ao mesmo tempo, evento de santificação, evento de graça que faz o homem viver na vida incorruptível de Deus e o faz crescer nessa vida.

Na Bíblia, santidade é o tempo que define a própria vida de Deus naquilo que a distingue de modo absoluto de qualquer outra existência. Ser santificado quer dizer  participar de alguma forma na própria vida de Deus. Com a redenção de Cristo, a santidade não consiste em qualidade exterior, mas em verdadeira regeneração e em tornar-se realmente “participante da natureza divina” (2Pd 1,4). Graças ao Batismo, os cristãos são “santos”, porque foram santificados pela graça de Cristo e pelo dom do Espírito.

O sacramento da Penitência é novo evento, que faz o batizado recuperar a vida de Graça perdida com o pecado, e o faz crescer nessa vida, que é a  própria vida do Senhor Jesus e do seu Espírito. Como tal, é evento de santificação que dá continuidade aos grandes eventos da historia salutis e transmite ao penitente a própria santidade de Cristo.

“A Penitência faz memória do Cristo que veio perdoar. Como Ele perdoou, reconciliou em sua vida histórica e mereceu a misericórdia de Deus para todos os homens arrependidos, na celebração da penitência torna-se presente a mesma misericórdia e o perdão de Deus manifestada em Cristo.

Fonte: Livros e apostilas do Curso de Teologia para Leigos da Arquidiocese de Ribeirão Preto.

No próximo mês seguiremos com o Sacramento da Penitência, mostrando os elementos constitutivos deste sacramento.