Pastoral Carcerária

Pastoral Carcerária

A Pastoral Carcerária é a presença de Cristo e de sua Igreja no mundo dos cárceres onde procura desenvolver todos os trabalhos que essa presença vem a exigir.

A Pastoral mantém contatos e relações de trabalho e parceria com organismos dos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, como também ONG’s locais, nacionais e internacionais.

Características da Pastoral Carcerária

1) Está junto das pessoas privadas de liberdade. Só a proximidade que nos faz amigos nos permite apreciar profundamente os valores das pessoas privadas de liberdade, seus legítimos desejos e seu modo próprio de viver a fé. À luz do Evangelho reconhecemos sua imensa dignidade e seu valor sagrado aos olhos de Cristo, pobre como eles e excluído como eles. Desta experiência cristã compartilharemos com eles a defesa de seus direitos”. (DA.398)

2) Busca a Libertação integral. Consciente de que precisa enfrentar as urgências que decorrem da violência e da miséria do sistema prisional, o agente de Pastoral Carcerária sabe que não pode restringir sua solidariedade ao gesto imediato da doação caritativa. Embora importante e mesmo indispensável, a doação imediata do necessário à sobrevivência não abrange a totalidade da opção às pessoas privadas de liberdade. Antes de tudo, esta implica convívio, relacionamento fraterno, atenção, escuta, acompanhamento nas dificuldades, buscando, a partir das pessoas privadas de liberdade, a mudança de sua situação. Aspessoas presas são sujeitos da evangelização e da promoção humana integral. (CNBB – Nº 94, parg. 71)

3) Luta para cancelar toda legislação e normas contrárias à dignidade e aos direitos fundamentais às pessoas privadas de liberdade, assim como as leis que dificultam o exercício da liberdade religiosa em benefício dos reclusos e busca, a quem transgride o caminho, o resgate e uma nova e positiva inserção na sociedade.

4) Respeita a dignidade da pessoa humana. Isso significa tratar o ser humano como fim e não como meio, não o manipular como se fosse um objeto; respeitá-lo em tudo que lhe é próprio: corpo, espírito e liberdade; tratar as pessoas presas como ser humano sem preconceito nem discriminação, acolhendo, perdoando, recuperando a vida e a liberdade de cada um, denunciando os desrespeitos à dignidade humana e considerando as condições materiais, históricas, sociais e culturais em que cada pessoa vive.

Objetivo:

“Evangelização e promoção da dignidade humana por meio da presença da Igreja nos cárceres através das equipes de pastoral na busca de um mundo sem cárceres!”

Objetivos gerais:

  • Acompanhar às pessoas privadas de liberdade em todas as circunstâncias e atender suas necessidades pessoais e familiares;
  • Verificar as condições de vida e sobrevivência das pessoas privadas de liberdade;
  • Priorizar a defesa intransigente da vida, bem como a integridade física e moral das pessoas privadas de liberdade;
  • Estar atenta e encaminhar as denúncias de torturas, maus-tratos, corrupção praticados contra às pessoas privadas de liberdade;
  • Intermediar relações entre às pessoas privadas de liberdade e familiares.

Objetivos específicos:

  • Anunciar o Evangelho de Jesus Cristo;
  • Colaborar para que os direitos humanos sejam garantidos;
  • Conscientizar a sociedade para a difícil situação do sistema prisional;
  • Velar a dignidade humana;
  • Contribuir para a redução da população carcerária;
  • Superar a justiça retributiva por meio da justiça restaurativa;
  • Promover a inclusão social da pessoa presa;
  • Motivar a criação de políticas públicas que zelem pelo respeito aos Direitos Humanos.

 

 

Objetivo
Evangelização e promoção da dignidade humana por meio da presença da Igreja nos cárceres através das equipes de pastoral na busca de um mundo sem cárceres!

Objetivos específicos

  • Anunciar o Evangelho de Jesus Cristo;
  • Colaborar para que os direitos humanos sejam garantidos;
  • Conscientizar a sociedade para a difícil situação do sistema prisional;
  • Velar a dignidade humana;
  • Contribuir para a redução da população carcerária
  • Superar a justiça retributiva por meio da justiça restaurativa
  • Promover a inclusão social da pessoa presa
  • Motivar a criação de políticas públicas que zelam pelo respeito aos Direitos Humanos.

Objetivos gerais

  • Acompanhar às pessoas privadas de liberdade em todas as circunstâncias e atender suas necessidades pessoais e familiares;
  • Verificar as condições de vida e sobrevivência das pessoas privadas de liberdade;
  • Priorizar a defesa intransigente da vida, bem como a integridade física e moral das pessoas privadas de liberdade;
  • Estar atenta e encaminhar as denúncias de torturas, maus-tratos, corrupção praticados contra às pessoas privadas de liberdade;
  • Intermediar relações entre às pessoas privadas de liberdade e familiares.

Atividades

  • Visitas aos presos, especialmente quando doentes, nas enfermarias ou nas celas de castigo ou de “seguro”;
  • Celebrações e encontros de reflexões (formação cristã, eucaristia, círculos bíblicos, novenas,CF’s…);
  • Atenção especial às áreas de extrema violência nas prisões;
  • Sensibilização das comunidades sobre os problemas dos presos e o valor da Pastoral Carcerária;
  • Parceria e relacionamento de trabalho com os poderes públicos.
  • Diálogo com a sociedade a fim de promover uma consciência coletiva comprometida com a vida e a dignidade da pessoa humana.
  • Trabalhar com os meios de comunicação;
  • Participar das reuniões de formação, de atualização, de espiritualidadeda equipe da Pastoral Carcerária local , nunca trabalhar isoladamente.

Missão 
A missão da Pastoral Carcerária é ser Pastor no mundo do Cárcere, a exemplo de Jesus Cristo que veio para que todos tenham Vida, é:

  • promover, defender, amar e servir a Vida,
  • entrar nas cadeias como Boa Notícia (somos a Boa Notícia),
  • ser revelação constante da pessoa de Jesus, para que o ser humano se liberte,
  • escutar e ver a pessoa aprisionada como filho e filha de Deus, pois é Cristo, ali presente, atrás das grades, desfigurado pelo pecado. (Mt 25,36)
  • ajudar o ser humano a assumir a própria vida, agindo de maneira que ele se sinta gente.

 

Para conhecer mais sobre a Pastoral Carcerária, acesse seu site: www.carceraria.org.br

 

Informações e Contatos

Secretaria Paroquial | 3945-8445 | Horário de atendimento: Terça-feira a Sexta-feira das 9h às 12h e das 14h às 18h e Sábado das 8h às 12h

Cléa Borges dos Santos | 3491-2228 | 99150-5256
Marcos Antonio dos Santos | 99148-5182