O Senhor Ressuscitou! Aleluia! Aleluia! | Mensagem do mês de Abril

O Senhor Ressuscitou! Aleluia! Aleluia! | Mensagem do mês de Abril

Caríssimos paroquianos

O Senhor Ressuscitou! Aleluia! Aleluia!

“Eis o dia que o Senhor fez. Exultemos nele, Aleluia! É o dia mais alegre do ano porque o Senhor da vida estava morto. Agora vive e triunfa”. Se não tivesse Jesus ressuscitado, vã teria sido sua encarnação, e sua morte não teria dado vida aos homens. “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa fé” (1Cor 15,17).

O anúncio do ano às mulheres: “Ressuscitou, não está aqui” (Mc 16,6), gerou temor e espanto, tanto que as mulheres fugiram e nada a ninguém disseram, porque estavam com medo. Mas com elas, ou talvez precedendo-as um pouco, estava Maria Madalena, que apenas vê a pedra removida do sepulcro e corre logo a dar a notícia a Pedro e João: “tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde colocaram” (Jo 20, 1-2).

Vão os dois a correr, e entrando no túmulo, veem os panos no chão e o sudário dobrado à parte; veem e creem.  É o primeiro ato de fé em Cristo Ressuscitado, da Igreja nascente provocado pela solicitude de Madalena e pelo sinal dos panos encontrados no sepulcro vazio.  Se se tratasse de um roubo quem teria a preocupação de despir o cadáver e dobrar os linhos com tanto cuidado?

Serve-se Deus de coisas simples para iluminar os discípulos que “não haviam ainda compreendido as Escrituras, segundo as quais devia o Cristo ressuscitar dos mortos”; nem o que predissera Jesus da própria Ressurreição. Pedro, o chefe da Igreja, e João, “o discípulo que Jesus amava”, tiveram o mérito de receber os “sinais” do Ressuscitado: a notícia levada por Madalena, o sepulcro vazio, os linhos dobrados”.

Portanto, a Páscoa convida a todos os fiéis à mesa com Cristo Ressuscitado, mesa em que Ele mesmo é alimento e bebida. “Cristo nossa Páscoa, foi imolado, façamos festa no Senhor”. Da mesa de Cristo, verdadeiro cordeiro imolado para a salvação dos homens, é necessário nos aproximarmos com o coração purificado de todo o pecado, renovado na pureza e na verdade. Em outras palavras, com coração de ressuscitados.

A ressurreição do Senhor, a Sua “passagem” da morte para a vida, deve ser espelho para a ressurreição dos fiéis, que vai se consumando pela passagem cada vez mais radical das fraquezas do velho homem para a vida nova em Cristo. E essa ressurreição tem como resultado, aspirações mais profundas pelas coisas do Céu. “Se ressuscitastes com Cristo”, diz o apóstolo, “procurais as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus; pensai nas coisas do Alto, não nas da Terra” (Cl. 3, 1-2). (cf. Intimidade Divina. Gabriel de Sta. Maria Madalena. O.C.B. Vozes. Pp. 297 a 299).

Queremos a luz do Ressuscitado possa iluminar todas as realidades da sociedade em que vivemos. Principalmente, vivendo o ano do laicato, onde todos os leigos (as) são convocados a serem sal e luz no mundo.

A fé que professamos no Ressuscitado nos impele a seguirmos avante na missão de fazê-Lo conhecido e amado entre nós.

Infelizmente, muitos não acreditam na vida eterna, e preferem acreditar somente nesta realidade temporal. Estão perdendo a oportunidade de fazer, todos os dias, a experiência com Cristo vivo e ressuscitado no meio de nós.

Enfim, vivamos este tempo de alegria Pascal para celebrarmos a Festa de Pentecostes daqui a cinquenta dias.

Todas as aparições de Jesus ressuscitado se deram dentro da comunidade dos discípulos. Que possamos fazer esta bela experiência em nossas vidas. Valorizemos a Igreja, com verdadeiro espírito de pertença.

Assim como o girassol precisa de luz solar para desenvolver e amadurecer suas sementes, nós, Cristãos católicos, necessitamos da Luz do Ressuscitado para iluminar o mundo, por meio das boas obras, que o próprio Cristo produz em nós.

Com carinho e minha benção sacerdotal.

Padre Ivonei Adriani Burtia