2º e última parte do Sacramento da Ordem

Imagem: acaminhodasantidade.wordpress.com

Os elementos constitutivos da Ordem são:

Matéria: óleo da crisma

Forma (intenção): ordenação do ministro

Gesto: imposição das mãos

Palavra: Oração de consagração

Ritualidade

O novo rito “De ordinatione diaconi, presbyteri et episcopi” viu a luz no ano de 1968. Em 1972, foram supressos o subdiaconato e as ordens menores; mantêm-se o leitorato e o acolitato como categoria de ministério, que se conferem mediante um simples rito de instituição. A tonsura como entrada no estado clerical foi substituída por um simples rito de admissão de candidatos ao diaconato e ao presbiterato. Com relação ao rito de ordenações, a estrutura geral é idêntica nas três ordenações; buscou-se maior simplicidade, com vistas a pôr em destaque o momento central. Consta de três partes: alguns ritos de introdução, o rito central e alguns ritos explicativos.

1) OS ritos de preparação:  chamada e apresentação dos candidatos ao bispo, sua eleição, a alocução do bispo, o diálogo entre este e os candidatos, a ladainha dos santos. 

2) O rito central: é constituído pela imposição das mãos em silêncio e a oração consecratória que o segue.

3) Os ritos explicativos: na ordenação episcopal temos a unção da cabeça, a entrega dos livros dos evangelhos, a imposição do anel, a entrega do báculo e a entronização em sua cátedra. Na ordenação do presbítero, alguns presbíteros, discretamente, impõem a estola aos ordenados e os revestem com a casula, sem palavra alguma; o bispo lhes unge as mãos e lhes entrega a patena com o pão e o cálice com o vinho. Na ordenação de diáconos, alguns diáconos ou presbíteros impõem a estola aos ordenados e os revestem com dalmática e o bispo lhes entrega o livro dos evangelhos.

Fato valorizado ou páscoa:

O Cristo que veio não para ser servido, mas para servir no seu serviço messiânico, profético, sacerdotal e real; Pessoas chamadas para o serviço messiânico de Cristo ao Reino.

Expressão significativa, símbolo, o rito essencial:

Imposição das mãos, seguida de Prece de Ordenação. Este elemento ritual é comum nos três graus do sacramento da Ordem, na celebração da Ordenação. O rito é diferente, no conteúdo da Prece de Ordenação. Na ordenação de um BISPO, a Igreja invoca e transmite o Espírito Soberano, ou o Espírito principal, que constitui o Bispo chefe para constituir o Templo de Deus no mundo, a Igreja.

Na ordenação de um PRESBÍTERO, A Igreja invoca e transmite o Espírito de Santidade, que, na força do Espírito, constitui o presbítero como cooperador do bispo em sua missão. Na ordenação de um DIÁCONO, A igreja invoca e infunde os sete dons do Espírito Santo para o serviço à comunidade de fé, particularmente no serviço aos necessitados.

Intercomunicação solidária ou mistério vivido;

A força do Espírito Santo para o ministério episcopal, presbiteral e diaconal.

Os símbolos da Ordenação:

a) O simbolismo da imposição das mãos, orienta para a ideia de transmissão de um ofício (missão, ministério ou tarefa) e comunicação do Espírito. Este se sobressai entre todos os símbolos, tornando-se parte essencial do rito de ordenação, toda as liturgias de ordenação, sobretudo na parte epiclética da oração consecratória, unanimemente interpretam assim a imposição das mãos e indefectivelmente a relacionaram com a comunicação do Espírito Santo. A cadeia ininterrupta de imposição das mãos foi interpretada pela tradição como um sinal de sucessão apostólica, assegurada pela ordenação. A ordenação garante o enraizamento apostólico do ministério. 

b) A unção da cabeça dos bispos e das mãos dos presbíteros: indica o poder de abençoar e consagrar configurando-os com Jesus Cristo, Sumo Sacerdote, a quem o Pai ungiu com a força do Espírito Santo. 

c) A entrega dos evangelhos: aos bispos e diáconos sublinha especialmente o ministério da Palavra ao qual doravante deverão consagrar-se, cada qual em sua categoria. A entrega do Pão e do Vinho aos presbíteros enfatiza a presidência da Eucaristia como função paradigmática do ministério presbiteral. 

d) Imposição das vestes: caracteriza o novo ofício apontado para funções que lhes correspondem ao âmbito de culto. 

e) Os quatros ritos peculiares com que se realiza a ordenação de um bispo – imposição do anel e da mitra, entrega do báculo e entronização na cátedra – descrevem plasticamente a situação do bispo com relação à sua Igreja: como esposo, chefe, pastor e doutor. 

f) Por fim, o beijo de paz significando a agregação a um corpo ou colégio. 

Termina aqui o Sacramento da Ordem, o mês que vem passaremos para o Sacramento do Matrimônio.

Fonte: Apostilas do curso de Teologia para Leigos da Arquidiocese de Ribeirão Preto.